Polícia japonesa prende novo supeito por crimes de pirataria

No último sábado, a polícia japonesa prendeu na Cidade de Katagami, localizada na província de Akita, mais um adolescente que distribuía ilegalmente na internet scans de mangás. Segundo a central de polícia para crimes digitais daquela região, o rapaz de 18 anos fazia o download de grande parte do seu material, e logo em seguida o disponibilizava em seu site.

Ainda de acordo com os policiais, o suspeito teria usado seu computador pessoal para armazenar o volume 11 de Nura: Rise of the Yokai Clan (Nurarihyon no Mago), e o 14° de Sket Dance, além de ter hosteado o 8° volume de Eden no Ori em servidores online, como o Megaupload, sem contar outros mangás que, da mesma forma, infringem a lei de direitos autorais japoneses.

Em março, o mesmo havia criado um blog chamado Manga.jp, que recebia vários pedidos de títulos, nas quais 260 foram disponibilizados gratuitamente na internet. Com seu site rendendo 2,5 milhões de acessos, o suspeito também ganhava dinheiro com receitas publicitárias, que chegavam a 270 mil ienes (equivalente a três mil dólares).

Na operação, polícia apreendeu 26 itens, que incluem DVDs e Blu-rays, discos rígidos e alguns computadores. Vale lembrar que outros suspeitos também já foram presos pelo mesmo crime de violação dos direitos autorais. Com a lei mais pesada e a polícia mais vigilante, não fica tão difícil imaginar o quanto os grandes sites distribuidores de mangás estariam encrencados se fossem japoneses.

13 respostas para “Polícia japonesa prende novo supeito por crimes de pirataria”

  1. Robotmonster disse:

    Agora sim uma materia bem detalhada.

    Perceberam que tipo de individuo prejudica o mercado por interesse proprio? Do que adianta fazer isso se um dia ele vai ser pego? É atraz de gente assim que a policia japonesa vai. Aliais, a ultima investida dos autores de HQ e mangá contra a pirataria foi visando esses sites.

    E sim, se o negocio fosse diferente por aqui, ja veriamos os donos de sites Brasileiros de distribuição gratuita com numeros absurdos de acesso na prisão.

    Porem, existe pouco interesse das empresas por aqui, e prender alguem que distribui num pais que a empresa sequer possui representantes, mesmo com todos os direitos garantidos, é declarar guerra com a tribo mais exigente do pais, os Otakus. Alem de que gastar sem ganhar nada não faz o estilo das empresas, porque cortar a grama de uma casa que voce nunca visita?

    • Alsan Matos disse:

      Então o que vc quer dizer é que a mesma ação pode ser “legal” ou “ilegal” dependendo apenas do interesse do dono do direito, certo?

      E que a “pirataria” não faz diferença por aqui porque nosso mercado não é “bom” para j-culture?

      Além de insinuar que o “pirateiro” prejudica a j-culture e é um perfeito idiota por fazer algo sabendo q vai ser preso?

      Bullshit!

      • O que nosso amigo está querendo dizer está explícito: “porque cortar a grama de uma casa que você nunca visita?”, significa, literalmente, QUE O INTERESSE ECONÔMICO É QUE REGE AS LEIS ANTIPIRATARIA.

        Autores, atores, desenhistas, enfim, todos que estão envolvidos na produção de um manga, anime, etc, tem família pra sustentar. Merecem ganhar dinheiro pois trabalham como qualquer outra pessoa.

        Mas no Brasil estamos longe demais e somos bagunçados demais para que algo efetivo realmente aconteça contra a pirataria.

        Enfim:enquanto não prejudica o bolso deles, não há interesse em combater. Assim como ninguém se importa com a fome na África ou as guerrilhas em locais esquecidos do mundo

  2. […] This post was mentioned on Twitter by Vinicius Narinz, Kisuke Urahara, Dr.Hunk_ANMTV, Lucas Souza, daniel acs and others. daniel acs said: RT @ANMTV: Polícia Japonesa prende novo supeito por crimes de pirataria http://bit.ly/f8fTTz […]

  3. […] fonte da notícia Polícia japonesa prende novo supeito por crimes de pirataria é o site Anime, Mangá e TV – […]

  4. C-a-l-v-i-n disse:

    Tem que ser preso mesmo.

  5. Leonardo disse:

    eh mta frescura isso sim

  6. Alisson disse:

    Esse sim merece ir pra cadeia, ele tava lucrando.

  7. Rafaela disse:

    Cadeia nele!!!

    Que sirva de lição para os outros.

  8. Gabriel Arruda disse:

    Se ele tava usando a obra dos outros pra faturar grana aí sim é crime se ele estivesse disponibilizando os dados gratuitamente aí podia(eu acho)

  9. Alsan Matos disse:

    Gabriel, na minha opinião a perseguição aos divulgadores da j-culture tem um só motivo: EXIGÊNCIA DOS YANKEES.

    Como vc mesmo disse, o caos na economia japonesa já é bem longo e tem diversos motivos, inclusive a incompetência da classe política japonesa.

    Mas alguém tem que pagar a conta de ttantos anos de recessão, né? E saiba que o Japão está super-endividado e que os USA são os maiores credores.

    Aí é que entra a “maldade”. Os americanos exigem que os japoneses regulamentem severamente o conteúdo e a divulgação desse material “nocivo” aos jovens americanos. Lembre-se que a juventude americana encontrou nos animes, games e mangás uma catarse para o establishment cultural do consumismo desenfreado e individualismo feroz imposto pelas grandes empresas estadunidenses ao seu próprio povo.

    A j-culture pro jovem norte-americano era a proposta de ideologias e padrões de vida diferentes, e fez a juventude deles pensar. Por isso os conservadores estadunidenses ODEIAM a j-culture, tentando censurá-la e endemonizá-la de todas as formas no seu território.

    Mas é MUITO MAIS EFICIENTE atacar o inimigo no seu próprio quartel-general, né? Então os americanos se valendo dessa dívida chantageiam o Japão, obrigando-nos a cortar o “mal” pela raiz.

    É disso que se trata esses eventos. Não tem NADA A VER com “prejuízo ao mercado”.

  10. Alsan Matos disse:

    Ué, mas a Globo usa o DBZ pra faturar e ninguém fala que é “pirataria” e que é “nocivo para o anime e o mangá”…

  11. Sou disse:

    viagem, cadeia lá n é igual aqui. e se tivesse tantos presos todos os dias eles n estariam varrendo pcs para procurar pirataria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.