ANMTV Entrevista: Inori, autora de I’m in Love with the Villainess

Por João Gabriel em

GL Bunko / Divulgação

O ANMTV teve a grande oportunidade de entrevistar Inori, escritora da light novel best-seller I’m in Love with the Villainess. Inori respondeu diversas perguntas, curiosidades e informações sobre ela e sua obra, que chegará ao Brasil pela editora NewPOP sob o nome de Me Apaixonei pela Vilã!.

Agradecemos a Inori por seu tempo e honra de nos escolher para essa entrevista e poder apresentar para ainda mais pessoas sua incrível obra. Confira a entrevista:


ANMTV: Bom dia, Inori! Poderia se apresentar para aqueles que ainda não a conhecem?

Inori: Muito prazer em conhecer todos vocês, que estão acessando o ANMTV. Meu nome é Inori. Sou uma autora de light novels que terá sua light novel, chamada “I’m in Love with the Villainess” (Me Apaixonei pela Vilã!) publicada no Brasil pela NewPOP. A edição em português foi possível devido a forte paixão dos leitores brasileiros. Estou muito feliz de ter meu trabalho disponibilizado em seu idioma. Espero que gostem.

ANMTV: Você se tornou conhecida mundialmente pela sua obra “I’m in Love with the Villainess”. De onde surgiu a vontade de escrever uma light novel? Você já havia escrito alguma outra obra antes?

Inori: Acho que a primeira vez que escrevi uma novel foi quando estava na quinta série. Apenas quando estava na universidade que comecei a escrever à sério. A primeira vez que inscrevi meu trabalho em um concurso foi em um para escritores, de light novels, novatos. Na época, o concurso era o mais famoso do Japão. Eu me lembro o quão feliz fiquei quando cheguei na terceira fase e meu nome apareceu na revista. Eu escrevo novels desde então. Outros trabalhos que escrevi além de “I’m in Love with the Villainess” incluem a história heterossexual sobre uma vilã, “The Vilainess Wants to be Alone”, e a história de fantasia e ficção científica, “Crying Hearts”. Nenhuma delas foi publicada comercialmente.

ANTMV: “I’m in Love with the Villainess” foi, inicialmente, publicada como uma web novel no site Shōsetsuka ni Narō. Você esperava ou imaginava o sucesso que ILTV se tornaria?

Inori: Não, honestamente não fazia ideia. No site, novels ganham pontos baseadas na avaliação dos leitores e quando são favoritadas, mas ILTV não possuía tantos pontos no início. Eu pensei, “essa obra é divertida de escrever, então irei continuar escrevendo do jeito que eu quiser”, e continuei escrevendo. Às vezes me pergunto se minha atual situação não passa de um sonho. 

ANMTV: Eu posso afirmar que não é um sonho (risos). ILTV é um isekai situado no universo de um otome game. Para escrever a obra, você jogou ou leu obras sobre?

Inori: Que bom, fico aliviada. Eu não tenho muita experiência jogando otome games, mas já joguei alguns. Foram os trabalhos criativos sobre otome games que influenciaram meu trabalho atual. O site onde publiquei, inicialmente, ILTV tinha muitos trabalhos sobre, então li bastante.

GL Bunko / Divulgação

ANMTV: Falando sobre gêneros, “I’m in Love with the Villainess” é uma light novel Yuri (Girl’s Love), onde o foco principal da história é o romance entre a protagonista, heroína da história, e a vilã. Por que você decidiu escrever uma obra Yuri?

Inori: Com algumas exceções, por alguma razão, toda vez que tento escrever uma novel, sempre acaba se tornando uma obra Yuri. Talvez tenha algo a ver com minha personalidade e sexualidade, mas não fui capaz de analisar isso muito claramente.

ANMTV: Oh, eu entendo. “I’m in Love with the Villainess” começou a ser publicado pela GL Bunko em 2019 e, em seguida, em outros países também. Como você se sente sabendo que existem pessoas fora do Japão que apreciam seu trabalho?

Inori: Mesmo que ILTV abranja minorias sexuais com uma boa profundidade, eu sinto que a conscientização dos direitos humanos do grupo LGBTQ+ é muito maior em outros países. Claro, ILTV é uma obra de entretenimento, então ficarei satisfeita se as pessoas aproveitarem ela puramente, mas ficarei ainda mais feliz se as pessoas puderem ler enquanto riem e pensam em vários assuntos. Todavia, me entristece saber que ILTV não é muito conhecida no Japão. Isso é um assunto para o futuro.

ANMTV: Então, “I’m in Love with the Villainess” é mais famoso internacionalmente do que no Japão?

Inori: Graças ao excelente mangá do Aonoshimo-sensei, a situação está mudando, mas até junho do ano passado, eu acho que a popularidade era, definitivamente, maior fora do Japão.

ANMTV: Falando nisso, com apenas 4 volumes, “I’m in Love with the Villainess” já recebeu uma adaptação em mangá. Você observa e interfere na produção do mangá?

Inori: A produção da versão em mangá é, majoritariamente, deixada a cargo do Aonoshimo-sensei. Eu checo para grandes contradições com a obra original, a forma que o diálogo é desenvolvido, etc… Mas eu tento não interferir na escolha das cenas que serão adaptadas e as que não serão ou com a direção que o mangá planeja tomar. A obra original é de minha autoria, mas a adaptação em mangá é de autoria do ilustrador, então eu a respeito o máximo possível.

Yurihime / Divulgação

ANTMV: Hanagata é responsável pelas incríveis ilustrações da light novel de “I’m in Love with the Villainess”. Qual foi a primeira coisa que você pensou ao ver as suas personagens desenhadas tão lindamente?

Inori: Eu senti como se elas tivessem ganhado vida. Eu tinha uma imagem da Rei e dos outros personagens em mente mesmo antes das ilustrações serem criadas, mas as ilustrações do Hanagata-sensei não foram apenas essa “imagem”, mas também foi capaz de mostrar o contorno das personagens tão vividamente quanto eu poderia imaginar. Eu nunca esquecerei a empolgação que eu senti quando me mostraram pela primeira vez as ilustrações de Rei e Claire.

ANMTV: Que incrível, a sensação de ver algo que você criou ganhando vida deve ser inesquecível com certeza. O 3° volume de “I’m in Love with the Villainess” esteve entre os mais vendidos, junto de famosas e influentes obras, como “Overlord”. Na sua opinião, o que levou ILTV a se tornar um grande sucesso com poucos volumes?

Inori: ILTV tem uma pouca quantidade de volumes, mas o número de páginas é bem grande. Os volumes 1 e 2, que são a primeira parte da ILTV, são maiores que três encadernados. O segundo volume, em particular, foi chamado de “Instrumento Contundente” na Coreia e nos países de língua inglesa onde foi publicado fisicamente. Também acho que a popularidade de uma obra é, normalmente, julgada não pela quantidade de texto, mas pelo seu conteúdo. É uma grande honra para mim ver meu trabalho ser um dos mais vendidos junto de várias outras obras de arte que ganharam um anime. Sou uma japonesa que acredita na virtude da modestidade, então me sinto bastante desconfortável dizendo isso de mim mesmo, mas eu ainda acredito que ILTV é tão interessante quanto esses outras incríveis obras. Se eu não tivesse essa confiança, eu estaria fazendo um desserviço para aqueles que apreciam minha obra.

ANMTV: Falando sobre anime, você comentou em seu Twitter á um tempo que desejava uma adaptação em anime de “I’m in Love with the Villainess”. Você acha que o dia em que teremos uma animação de ILTV está se aproximando?

Inori: Eu realmente espero que sim…, mas ainda não tenho ideia do que realmente vai acontecer. No Anime Japan, evento internacional sobre anime, desse ano houve uma votação dos mangás que os fãs gostariam de ver animados (MANGA YOU WANT TO SEE ANIMATED RANKING) e ILTV ganhou o 5° lugar. Estou torcendo para que essa seja uma grande oportunidade das pessoas na indústria da animação se interessarem em ILTV, mas, no momento, não posso dar certeza. Reconhecimento no Japão é importante para uma adaptação em anime, então, agora, estou trabalhando duro com a GL Bunko e Yurihime para aumentar o reconhecimento do nosso trabalho no Japão. Entretanto, eu acho que seria interessante se chamasse a atenção de empresas internacionais como a Netflix.

ANMTV: Eu amo quando compro um mangá ou uma novel e recebo um brinde, acredito que você também Inori. A versão física da adaptação em mangá de “I’m in Love with the Villainess” tem diversos tipos de brindes. Você decide os tipos de brindes que virão ou é a editora que decide isso?

Inori: É, eu também adoro brindes haha. Basicamente, GL Bunko ou Yurihime decidem os brindes que virão em cada loja. Meu envolvimento é o mesmo que o do mangá, checo apenas para grandes discrepâncias com a obra original e providenciando novels recém-escritas.

Yurihime / Divulgação

ANMTV: Muitas pessoas estão cientes da extensiva e cansativa carga horária dos autores durante a produção de um mangá, mas como é a carga horária e sua rotina escrevendo uma light novel?

Inori: Eu não sei muito sobre outros escritores, então só posso falar por mim mesma. Pelo menos para mim, sinto que ser uma escritora demanda menos, fisicamente e mentalmente, do que trabalhar em uma empresa regularmente. A razão pela qual eu, originalmente, me tornei escritora é porque não estava confiante sobre minha saúde. Minha vida é muito difícil financeiramente, mas sou capaz de sobreviver graças aos leitores que compram meus livros. As pessoas, frequentemente, dizem “eu sou sustentada por outra pessoa” como uma doutrina de fé, mas eu vivo isso, literalmente, diariamente.

ANMTV: Graças as pessoas que compram seus livros, você é capaz de ter uma vida melhor. Infelizmente, uma coisa que todos os autores lidam é com a pirataria, isto é, versões e traduções ilegais de suas obras. Qual sua opinião sobre isso?

Inori: É exatamente o oposto do que eu estava falando mais cedo. A pirataria é algo que eu sinto como um sério problema também. Nós, escritores, não podemos sobreviver caso as pessoas não comprem nossas criações. Se os escritores estão empobrecidos, não terá mais obras criativas. Espero que aqueles que consumam pirataria pensem novamente sobre essa questão. Você pode pensar que é uma coisa boa aproveitar uma obra interessante sem pagar nada, mas se muitas pessoas copiarem esse pensamento, os criadores terão que parar de criar.

ANMTV: Pirataria é, com certeza, um grande problema. Diferente de muitos autores, você tem um perfil no Twitter bastante ativo. Para você, quão importante é essa interação com os fãs?

Inori: E não está certo? Pelo o que eu sei, a maioria dos autores que usam Twitter interagem mais ou menos com seus próprios leitores e fãs. No meu caso, eu penso que é apenas um pouco diferente no que se trata aos fãs fora do Japão. Para mim, interação com os fãs é muito importante. Quanto mais fãs internacionalmente eu tenho, maiores as possibilidades de publicar meus livros em seus países. Deixando de lado o aspecto prático, eu me sinto energizada quando converso com meus fãs já que fico facilmente deprimida. Eu, realmente, sou muito grata aos meus fãs.

ANMTV: Como leitora, existe alguma obra que você goste e recomende?

Inori: O gênero importa?

ANMTV: Pode ser de qualquer gênero.

Inori: Para mangá, eu gosto de “The Demon Girl Next Door” de Izumo Ito-sensei. Para novel, eu gosto de “Reign of the Seven Spellblades” de Bokuto Uno-sensei. Eu gosto de “The Demon Girl Next Door” porque parece um mangá solto de quatro painéis, mas tem uma história sólida por trás. É um pouco parecido com ILTV no que se trata ao amplo começo e então te joga num pântano. “Reign of the Seven Spellblades” tem uma realidade que é difícil de acreditar que é fantasia. Eu acredito que o autor, Uno-sensei, é graduado pela Kimberly, a escola mágica fictícia que aparece na história. As descrições são tão realistas que eu gosto de pensar que o autor estudou nessa escola.

Yurihime / Divulgação

ANMTV: O que você diria, como motivação, para as pessoas que querem se tornar escritores um dia?

Inori: Eu acredito que a coisa mais importante para se tornar um escritor não é talento ou esforço, mas apenas continuar escrevendo. Continue escrevendo até se tornar um escritor, e aí você pode se tornar um escritor. Se fosse para eu adicionar mais alguma coisa, seria ainda melhor se você tiver uma mente que te desafia diariamente de diversas formas. Não fique preso na imagem de ser um escritor, mas seja flexível e tente usar diferentes técnicas e interagir com diferentes tipos de pessoas para se manter atualizado.

ANMTV: Os volumes de “I’m in Love with the Villainess” são publicados digitalmente no Japão. Para você, qual a importância do mercado digital de mangás e novels?

Inori: Mais e mais pessoas, principalmente a geração mais nova, estão lendo novels e mangás digitalmente. Pela primeira vez na história das publicações japonesas, as vendas digitais superaram a dos impressos ano passado. Eu sou o tipo de pessoa que se sente apegada aos livros impressos, mas ainda acho que a demanda pelos digitais continuarão a crescer. Eu sobrevivo sendo escritora, então eu sinto que preciso me adaptar a essa tendência.

ANMTV: Sei que pode ser muito cedo, mas você já tem uma ideia de como será o final de “I’m in Love with the Villainess”?

Inori: Na verdade, a web-novel de ILTV foi concluída em 21 de fevereiro de 2021. Estou atualmente escrevendo uma série chamada “She is so Cheeky, Comonner!”, no PIXIV FANBOX, que conta a história da primeira parte de ILTV no ponto de vista da Claire. Não é só uma história do ponto de vista da Claire, mas é um spin-off que contém muitas histórias originais de SSCC (“She is so Cheeky, Comonner!”), então espero que o primeiro volume de ILTV faça muito sucesso no Brasil para que SSCC possa ser publicado também.

ANMTV: Nossa, já acabou?! Eu não sabia! Espero que o spin-off também faça sucesso.

Inori: Haha, muito obrigada.

GL Bunko / Divulgação

ANMTV: No Brasil, “I’m in Love with the Villainess” foi anunciado pela NewPOP. Muitos fãs ficaram animados e ansiosos pela publicação da obra. Você gostaria de deixar uma mensagem para todos os seus fãs no Brasil?

Inori: Essa publicação é um milagre que se tornou possível pela paixão de vocês. Com a ajuda da NewPOP, uma editora muito corajosa. Espero que vocês apreciem meu trabalho tanto quanto eu apreciei trazê-la no seu idioma. Se você gostar, por favor, recomende a seus amigos. Eu ouvi que a população brasileira está passando por tempos difíceis, e eu estaria mais que honrada se puder ajudar a melhorar isso.

ANMTV: Obrigado. Desde que a web novel de “I’m in Love with the Villainess” acabou, quantos volumes você acha que a versão da GL Bunko terá?

Inori: Talvez 5 volumes, eu acho.

ANMTV: Uau, então a versão da GL Bunko também está próxima do fim. A última pergunta será uma bem boba. Qual é a sua comida favorita?

Inori: Não, não, essa é uma pergunta muito importante. Eu gosto de frutas. Especialmente as peras japonesas. Elas são tão diferentes das peras comuns que eu até acho que são frutas diferentes. Se você vier ao Japão, por favor, prove as peras japonesas.

ANMTV: Eu provarei. Muito obrigado pela sua participação na entrevista, Inori. Demorou muito mais do que eu imaginava haha. Foi uma honra a oportunidade de te entrevistar. Estou muito ansioso pela publicação de “I’m in Love with the Villainess” no Brasil! Com certeza comprarei!

Inori: Muito obrigada por essa preciosa oportunidade. Espero conseguir o máximo possível de leitores no Brasil. Incluindo você, é claro hahaha. 

ANMTV: Tenha um ótimo dia!

Inori: Muito obrigada. Tenha uma ótima noite!

GL Bunko / Divulgação

Nós da, equipe do ANMTV, agradecemos novamente a atenção e participação da autora Inori. Foi uma grande honra poder conduzir essa entrevista. Relembrando a todos, I’m in Love with the Vilainess virá em breve pela editora NewPOP pelo nome de Me Apaixonei pela Vilã!.

Comentários