Publicações são temporariamente suspensas no Japão

De acordo com um comunicado feito pela “Associação de Editores Japoneses de Revistas”, 191 publicações semanais e mensais foram suspensas temporariamente devido à catástrofe que está afetando o país. Tanto editoras quanto distribuidores paralisaram suas atividades. Além disso, o papel, importante material para produção de revistas, está se tornando escasso, o que levou as editoras a optar por esta decisão.

O anúncio sobre a paralisação pode ser visto nos sites oficiais de cada uma das editoras japonesas, como a Shueisha, Shonen Sunday, Kodansha, entre outras. Abaixo, um resumo das revistas mais afetadas:

Semanal – Shonen Jump
O volume #17 foi atrasado por uma semana. Seu lançamento deverá ocorrer em 4 de abril. Após a publicação do próximo volume (#18), a revista voltará a circular normalmente.

Semanal – Young Jump
As edições #18 e #19 serão combinadas em um único lançamento, previsto para 31 de março. A partir do número #20, a revista voltará a sua publicação regular.

Mensal – Jump Square
A edição de maio, prevista para ser lançada em 4 de abril, e o seguinte número,
correspondente a junho, serão editados e lançados de forma conjunta no dia 21 de abril.

Semanal – Shonen Sunday
Situação sob análise. Por enquanto, haverá um lançamento no dia 28 de março.
Seus editores ainda não se manifestaram a respeito.

Shonen Magazine, Magazine Special, Monthly Magazine KC
Todas estas revistas estão previstas para serem lançadas após o dia 28 de março, mas ainda não possuem datas definidas.

11 respostas para “Publicações são temporariamente suspensas no Japão”

  1. Acho que estão querendo acabar mesmo com o mundo dos animes, se a censura continuar daqui a algum tempo só teremos coisas pra crianças.

  2. RasenganR3 disse:

    num tem nada a ver com acabar com mundo de animes, é apenas uma decisão de precaução, é uma pena mas, eles estão certos…
    não é assim, de uma hora pra outra o Japão vai querer acabar com os Animes no Japão? Se Liga! –‘

    • Verdade
      Os kra só estão com problemas, num estão querendo acabar com tudo ‘ -‘

      • Nekomimi disse:

        Não se trata de censura ou algo assim,o problema é que a prioridade da população (inclusive dos leitores japoneses de revistas), não só da área atingida pelo terremoto e pelo tsunami, mas também das regiões próximas, (como é o caso de Tóquio) no momento é outra: comida, água (e sem traços de radiação, juma vez que o vapor e a poeira radiativas resultantes dos vazamentos e das explosões que aconteceram nos prédios dos reatores das usina nuclear de Fukushima contaminaram alimentos como leite, cebolas, espinafres e ervilhas, além da água encanada), e outros itens essenciais. sem falar de que falta energia elétrica, devido ao desligamento (por medida de segurança) das outras usinas nucleares que forneciam eletricidade. Por isso, o corte de energia por algumas horas, e que se alterna de área em área.
        Sendo assim, a compra de mangás e revistas não está entre as prioridades da população daquelas regiões, no momento. Até o papel, que já está ficando escasso, será usado para imprimir jornais e até mesmo para papel higiênico.
        Como pode ver, são tempos de crise naquela parte do país (e justamente onde a maior parte dos mangás é publicada).
        Só nos resta esperar e torcer para que a situação não piore (principalmente no que diz respeito à usina nuclear de Fukushima, porque se eles não conseguirem religar a refrigeração dos reatores e acontecer o pior, aí a demora na publicação dos mangás sera a menor das preocupações. No lugar disso, a preocupação maior será com a sobrevivência da população daquelas áreas, incluindo autores de mangás e animes, que serão afetadas por uma liberação maciça de radiação, coisa que só aconteceu uma vez, em Chernobyl.).
        Se tudo correr bem, e a situação se normalizar aos poucos (com fornecimento de água e alimentos sem contaminação radiativa, além de restabelecimento do fornecimento da energia elétrica, combustíveis e, é claro, papel), o povo japonês poderá voltar a se sentir seguro e, com certeza, voltará a consumir mangás e revistas. E as editoras vão voltar a publicar e a lançar novos títulos no mercado.
        De qualquer forma, vai demorar algum tempo para que tudo volte ao normal, e para que o trauma (causado tanto pelo terremoto quanto pelo tsunami e pelo acidente nuclear) seja superado pela população local.
        Maldito Ano da Lebre Louca (que do Coelho este ano não tem nada)!

  3. mateus disse:

    _primeiro: imagine os familiares da pessoas q trabalham nessas editora(inclusive os mangakas)… muitos deles devem ter familiares ou propriedades na areas atingida, vcs acham q estao preocupados com mangÁ?
    _segundo: escasses de materia…
    _terceiro: no mundo captalista em q vivemos, aond muitas pessoas lah naum tem nem agua pra beber, vao comprar manga??? é logico q as editoras nao vao coloka em ciculaçao, tambem pq a venda será muiot menor, e é obvio q o lucro é o q conta!!!

  4. yusei disse:

    Só esperar passar essa fase de caos no Japao e logo-logo as coisas vao voltar ao “normal” por assim disser.

    Vai demorar as eles superam, esse povo é guerreiro.

  5. Quantos aos mangas e compreensivel que param de publicar por um tempo (as revistas tambem) visto que raramente uma pessoa vai a uma banca de jornal nas ruas,a maioria das lojas que vendem literatura jornalisticas são cyber cafes diferentemente do brasil,que vemos banca de jornal,9 em cada 10 esquinas como em Copacabana (Rio de Janeiro),ou avenida Paulista (São Paulo).Visto que a temeridade, de uma catastrofes maior ainda so cresce, os lojistas fecham as suas lojas inpossibilitanto das distribuidoras contratadas trabalharem para fazerem suas entregas.Entao foi so por isso que eles param e adiaram as publicações,pq em tokyo que sofreu pouco com a calamidade e aode eles distribuem priemeiros pra depois destribuirem para outros lugares,ou seja e distribuição setorizada,porem os lojistas fecharam as portas im possibilitando a entrega algo semelhante a que o Fenando Chinaglia faz aqui no Brasil.Antes de criticar analize o caso com fundamento po.

  6. Rennan disse:

    Eu já esperava!!!

  7. Nekomimi disse:

    Um detalhe: no japão não há bancas de jornais e revistas (só as bancas que vendem jornais, revistas, doces, sorvetes, etc.) da franquia Kiosk, e isso dentro das estações de trêm e metrô. Eu soube disso através de brasileiros que já estiveram no Japão e através de uma revista especializada em coisas de lá.
    Uma última informação, esta recente: a economia japonesa se recuperará no segundo semestre deste ano. Isso quer dizer que, até lá, vamos ter de esperar para vermos novos títulos de mangás (e animes, também). É o jeito.

    • Nekomimi disse:

      Esqueci de dizer que as revistas e jornais são vendidas, na maioria das vezes, em livrarias (honya/hon-ya), também chamadas de bookstores (como nos EUA).
      Uma correção de última hora: a recuperação do Japão poderá levar até cinco anos, segundo o Banco Mundial. isso quer dizer que as cadeias produtivas das indústrias automotivas e de eletroeletrônicos foram prejudicadas pela tragédia ocorrida naquela região, sem falar dos enormes danos nas habitações e infraestrutura (água, luz, gás, esgoto, etc.) que terão de ser cobertos pelo governo e pelo povo (já que as companhias de seguros.só cobrirão uma parte). No entanto, o impacto no crescimento do país provavelmente será “temporário” e terá efeito “limitado” na economia regional. Diante dessas informações, pode ser que demore mais tempo do que se esperava para a economia daquele país se recuperar. Resta torcer para que, ao menos, a situação melhore, em poucos meses, o suficiente para que os mangás e animes possam voltar a serem vendidos e lançados.
      Até lá, eles já devem ter resgatados as últimas vítimas, realizados os funerais e, é claro começado a reconstruir o que foi destruído (com exceção da usina nuclear de Fukushima, que vai ser fechada definitivamente por causa dos danos e pela corrosão causada pela água do mar, usada para resfriar os reatores).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.